segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Oooops

Dizem que depois da quimioterapia mesmo o cabelo mais escorrido nasce cheio de caracóis.

Dizem.

Eu já sonhava com a minha bela afro. Linda, cheia de caracóis bem apertadinhos e loira. Ia ser um sucesso!

Mas o meu cabelo tinha que ser do contra (ou não fosse ele meu)!

Nasceu liso. Escorrido. Tal como era antes.

Quando começou a nascer inspeccionei cada fio se cabelo em busca dos meus lindos canudos. Certo dia pensei até ver um caracol espreitando timidamente na minha nuca. Ah alegriaa!!! Falso alarme! Era só um mau jeito. 😒

Então, em vez de uma afro linda e maravilhosa, tenho um lindo capacete que me dá um look entre o Playmobil e o Pin & Pon. Ao acordar levo tempos intermináveis a domar cada madeixa que insiste em ficar com as formas da almofada. E por mais voltas que lhe dê continuo a parecer um Playmobil.

Ontem chateou-me! Uns tufos na nuca teimavam em dar-me um ar de Futre na década de 80. Os malvados tufos desafiavam-me com o seu ar de gozo de cabelo que não vai ao sítio: "hahahaha, tenta lá dar-nos um ar composto, tenta!!"

Irritei-me! Peguei na tesoura e pufas! Tomem lá, ó tufos! Já eram!

Convencida que a minha técnica de cabeleireiro tinha sido perfeita (afinal de contas corto o cabelo à miúda e a coisa nem fica má), mostrei orgulhosa ao marido a minha obra prima. Os tufos foram-se! Malvados jazem agora no caixote do lixo, onde merecem estar depois de me terem desafiado!

Eu: "Está perfeito, não está?"
Marido: "Quem é que te fez isso?"
Eu (com ar orgulhoso): "Fui eu"
Marido: "Hmmmm, talvez seja melhor amanhã ires ao cabeleireiro."

Ooopps! Hoje vou ao cabeleireiro. 😳




quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Há coisas que sabem a quimioterapia.


A Ana antes do cancro adorava beterraba. Nada me fazia mais feliz que uma bela sopinha de beterraba ou uma salada salpicada de rosa por este alimento maravilhoso. 


Mas depois veio a quimioterapia. A beterraba é fantástica para quem está em tratamento de quimioterapia pois, por ser rica em Ferro, Potássio, Ácido Fólico, Magnésio e vitaminas, ajuda o nosso corpo a fortalecer o sistema imunitário e a prevenir a anemia. 

Ora, tendo em conta que a quimioterapia nos trás neutropenias, trombocitopenias, anemias e outras coisas acabadas em "ias", é uma boa ideia munir o nosso corpinho com todas as armas à disposição. 

E assim foi. Durante seis meses a beterraba foi uma amiga presente diariamente. Fiz sumos, saladas, sopas e gratinados. Comi beterraba crua, cozida, salteada e triturada. Até não poder ver tal criatura, que até então tanto me era querida. 

Hoje foi a primeira vez que voltei a comer beterraba. Porque é importante continuar a tratar do corpo que ainda sucumbe a uma série de efeitos secundários dos tratamentos. 

E sabem que mais? Não foi bom. 

Foi como entrar na máquina do tempo. Só não me caiu o cabelo! Estou mal disposta qual Perú etilizado na véspera de Natal (mas sem a parte divertida da bebedeira). A beterraba afinal sabe a quimioterapia. 

Náuseada mas saudável é o mote do dia! 

Haja alegria! 😉

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Virar a página...


Era tão bom que o fim dos tratamentos fosse o mesmo que terminar um livro. Viramos a última página, lemos as últimas palavras. Fechamos o livro, guardamos na prateleira e começamos um livro novo. 


Na mente ficam apenas as memórias (por vezes um pouco toldadas pelo tempo) daquela história que se leu. Por vezes fica até uma vontade de a voltar a ler. Que bom era que esta história também fosse assim.

Só esta semana arranquei do espelho da casa de banho as instruções sobre a medicação a tomar durante a quimioterapia. Quimioterapia que terminou há já mais de seis meses. 

Curiosamente retirar aquele papel do espelho não me deu um gozo especial. Durante todos estes meses ali esteve sem utilidade alguma, mas sem que eu sentisse alguma urgência em tira-lo dali. Sem que a sua viagem até ao lixo me desse o conforto de que esta história ficasse arrumada no passado. 

Talvez porque sinto no meu íntimo que o cancro nunca vai ser conjugado no passado. Sei que o cancro será sempre palavra presente e que o meu coração irá saltar do peito ao mínimo sinal de alarme. 

Será sempre presente pelo medo que ele volte sem ser convidado (já da primeira não o foi e teve a lata de trazer um amigo! O gajo é atrevido e não se lhe pode dar a mão que ele quer logo o braço). 

Será sempre presente porque infelizmente o cancro de mama às vezes gosta de voltar. Às vezes gosta de fintar as estatísticas. E que chatice é não podermos escolher em que grupo das estatísticas queremos ficar. 

Será sempre presente pelas dores no corpo que teimam em piorar a cada mês que passa. 

Sempre presente pela menopausa mais que precoce que faz com que tanto ande a saltar de alegria como de fúria por razão que a própria razão desconhece. 

Sempre presente pelas marcas que deixou eternizadas no corpo e na alma.

Para quem assiste ao cancro do outro lado do espelho este é um estado difícil de entender. A imortalidade do cancro não me impede de sorrir, brincar e ser feliz. Porém, a vontade de sorrir, brincar e ser feliz não me impede de ter medo.

Sei que conjugarei para sempre o cancro no presente, mesmo que ele fique para sempre no passado. Nas entrelinhas vou escrevendo, capítulo a capítulo, uma história cheia de sorrisos e momentos felizes.


segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Dia Nacional da Prevenção do Cancro de Mama

Hoje é o dia Nacional da Prevenção do Cancro da Mama.
E o projecto Dez e Trinta e Cinco decidiu marcar este dia partilhando os números e factos sobre esta doença, convidando-me a partilhar um pouco mais sobre mim e a minha vivência com o cancro.
Obrigada pelo carinho e por quererem fazer parte da divulgação para a prevenção!

Podem ler o artigo completo e entrevista AQUI

domingo, 29 de outubro de 2017

Vamos ajudar a curar

Porque a investigação científica apenas é possível havendo amostras de dadores saudáveis e portadores de doença, o iMM está a lançar o pedido de doação voluntária de amostras de sangue a todos os eventuais interessados.
Com esta doação poderemos contribuir para o avanço do conhecimento científico e ter um papel activo em descobertas que poderão trazer avanços importantes em medicina e melhorar a qualidade de vida de todos.
Toda a informação necessária AQUI

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

Só eu seeeeiiiii, porque não fico em casaaaaa!


Ontem foi dia de ir à bola. Havia já pelo menos dois anos que não punha os pés no estádio de Alvalade. Simplesmente porque, entre ser mãe e ter um cancro, perdeu-se este ritual de bem acompanhada pelo marido ir libertar o stress para o estádio e aproveitar o pretexto para umas bifanas e imperiais (pouco saudável, eu sei! Mas faz parte!).


Mas ontem foi tão diferente. Ontem fui ao estádio independentemente de clubes e vencedores. Fui ao estádio pois fui afortunada com a oportunidade de poder participar numa fantástica iniciativa de sensibilização para a prevenção precoce do cancro de mama.

O Sporting decidiu não ficar na plateia a ver o Outubro Rosa passar e decidiu criar uma Onda Rosa, conseguindo fazer chegar tão mais longe a voz de quem quer lançar este alerta.

No jogo de ontem entraram em campo com os jogadores 22 mulheres que lutam contra o cancro de mama. Mulheres que, como foi anunciado à sua entrada, são exemplos de Esforço, Dedicação de Devoção para travarem esta batalha contra o cancro. 

E eu tive a sorte de poder ser uma destas 22 mulheres!

22 mulheres que envergaram com orgulho camisolas contendo a mensagem que querem passar ao mundo: PREVENIR É A MELHOR JOGADA. Porque todas sabemos que o diagóstico precoce continua a ser a maior arma contra esta doença. 

Para além disso os jogadores do Sporting usaram uma camisola exclusiva, contendo o laço rosa que representa a luta contra o cancro de mama. Estas camisolas serão vendidas e a receita reverterá integralmente para a Associação Amigas do Peito, uma associação humanitária de apoio à mulher com cancro de mama. 

Mas ainda há mais!! Fantástico,não é? Até 31 de Outubro todas as sócias do Sporting poderão fazer gratuitamente uma consulta de diagnóstico precoce nos hospitais e clínicas CUF de Alvalade, Descobertas, Infante Santo, Porto e Viseu (mais informações disponíveis no website da CUF ou entrando em contacto com uma destas unidades de saúde). Vamos lá aproveitar e colocar esses exames de rotina em dia!!

Obrigada Sporting por esta iniciativa tão louvável! Obrigada por terem a consciência social de que a vossa visibilidade pode fazer tanta diferença na luta contra o cancro. 

Obrigada Sporting por nos ajudar a relembrar que PREVENIR É A MELHOR JOGADA.



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Hoje é o Dia Mundial do Cancro da Mama.

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Cancro da Mama.
"Em Portugal estima-se que uma em cada 10 mulheres vá ter um cancro da mama ao longo da vida. (...) Em Portugal o cancro da mama é o cancro da mulher com maior taxa de incidência (o número de novos casos por ano). Calcula-se que anualmente surjam cerca de 5000 novos casos e que esta incidência tenda a aumentar nas próximas décadas." (Fonte: Mama Help )
Pelo segundo ano Outubro é para mim um mês diferente daquilo que foi até então. Desde 2016 que faço parte das estatísticas.
E, apesar de não ser razão para alegrias nem festanças, alguém achou que esta efeméride deveria ser comemorada. É que afinal de contas faço parte das estatísticas mas estou cá para contar a história. Faço parte das estatísticas de quem deu um pontapé ao bicho!
E por isso recebi um miminho muito especial que me vai sempre lembrar que foi em 2017 que venci esta batalha (e que lutei sempre bem acompanhada)! 💗